Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008
Entrevistas a graffiters
Entrevista 1
Esta entrevista foi feita no dia 14 de Fevereiro de 2008, a um graffiter de 19 anos  que actualmente frequenta o 12º ano na nossa escola.

1 - Qual é a tua tag?

R: 2-G-O-O-D


2 - Porque e quando é que te iniciaste no graffiti?

R: Inicialmente vi desenhos que me chamaram bastante a atenção, pelas sua cores formas e pela sua junção. A data que me iniciei não sei bem, mas foi por volta de 2005, ou seja a uns três anos atrás. Ao pintar consigo expressar o meu estado de espírito, e juntar a isso um alto estado de adrenalina que é essencial para praticar esta arte que nos dias de hoje é desfavorecida, pois o tema induz imediatamente o ''vandalizar espaços’’. Têm de de abrir os olhos e ver o trabalho, dedicação e vontade que é necessária para este tipo de criações.


3 – O que significa para ti o graffiti?

R: Para mim, e penso que para a grande maioria dos writers, significa a liberdade do artista. Mais uma vez, que esta liberdade significa uma forma de expressar o estado de espírito. Uns escrevem, outros cantam, enquanto que nós pintamos. O objectivo é normalmente o mesmo.


4 – Concordas com o aparecimento do graffiti em galerias e não só nas ruas?

R: Sim, concordo. Mas essa minha aceitação tem um pequeno ‘’se não’’. Só concordo se forem pinturas planeadas e não fruto do acaso. Um graffiter pode ter muita capacidade para inventar graffitis no momento. Mas para ser colocado numa galeria deve ser sempre fruto de um projecto, bem pensado e estruturado.


5 – Que achas que deve ser feito para promover o graffiti?

R: Acho que deve haver uma maior e  sobretudo melhor divulgação do graffiti. Acho também que deveriam ser criados espaços próprios para a criação de graffitis. Claro que a existência de um espaço desses numa certa localidade, não iria fazer com que, os graffitis ilegais continuassem a existir. Poderia reduzir, mas nunca irá acabar. O artista sente necessidade de adrenalina. Tal como em Nova York, em que foram criados esse tipo de espaços, mas continua a haver sempre graffitis em espaços ilegais para essa prática. Penso que esses espaços servem principalmente para a sociedade melhor aceitar o graffiti como uma forma de arte, pois é capaz de tornar um local mais atractivo.


6 – Qual achas que deve ser o futuro do graffiti no nosso país?

R: Depende como se queiram expressar. Provavelmente eu não tenho muito futuro nesta vertente…(risos). Há pessoas que devem explorar mais a sua capacidade (arte), e ser mesmo ajudadas a conseguir progredir neste ramo. Acho que principalmente, como já disse, as pessoas deviam ser informadas sobre a verdadeira parte do graffiti (arte).


7 – Quais são as tuas principais influências e de que modo contribuíram para o desenvolvimento do teu estilo?

R: Livros, revistas, ver ourtros a fazerem graffitis, TV, Internet. Há dois graffiters que aprecio muito, inspirando-me também neles: DAIM e CANN2. DAIM possui um estilo 3D, que torna muito complicado o imitar. Já o CANN2 é mais virado para a bonecada, o cartoon como se diz correctamente. Tenho o meu próprio estilo, outros têm os deles. Parte de cada um. Formei o meu estilo baseando-me noutros estilos. Por exemplo, via num livro uma letra, noutro outra letra, e assim sucessivamente e criei o meu próprio abecedário pessoal. Depois evolui-se, começa-se com um A normal e tenta-se sempre modifica-lo para o tornar mais atractivo. Penso que nunca se tem um estilo certo. Inova-se e evolui-se, para tornar cada vez mais atractivo o teu trabalho.



Entrevista 2

A segunda entrevista foi realizada no dia 16 de Fevereiro de 2008, a outro aluno de 19 anos também da nossa escola, que é graffiter, e que integra uma das turmas de 12º ano.


 

1 - Qual é a tua tag?

R: R-A-B-I-T


2 - Porque e quando é que te iniciaste no graffiti?

R: Desde puto que sempre gostei de Hip-Hop, que tendo como vertente artística o graffiti, sempre foi uma das formas de arte que mais me interessou. Aos 16 anos juntei-me com um amigo, compramos umas latas e começamos a mandar umas letras em fábricas abandonadas. Com o passar dos anos a mentalidade mudou, pelo que agora considero o graffiti uma forma de expressar o que tenho a protestar.


3 – O que significa para ti o graffiti?

R: Uma vez disseram-me que um writer era apenas um ''designer de exteriores’’. Tenho sempre esta ideia em mente, porque considero o graffiti arte urbana. Apesar de nem sempre ser aplicada nos locais correctos, o graff consegue embelezar a paisagem, tornando-a única. Começou como uma forma de protesto, mas é cada vez mais usada como forma de dar espírito urbano e contemporâneo um pouco por todas as culturas.


4 - Concordas com o aparecimento do graffiti em galerias e não só nas ruas?

R: Claro, toda a gente tem o direito de expor ao público o que quer exprimir.


5 -  Que achas que deve ser feito para promover o graffiti?

R: Essencialmente acho que devem ser feitos concursos em escolas, haver uma maior divulgação do graffiti, nomeadamente o lado por vezes invisível ao olhos da maioria da sociedade. Essa divulgação seria mais fácil se aproveitassem terrenos inutilizados para a construção de paredes legais, e que de certa forma poderia reduzir o vandalismo que ataca esta arte.

 

6 – Qual achas que deve ser o futuro do graffiti no nosso país?

R: Acho que evolui de forma positiva, já deixou de ser moda, e só ficou quem realmente tem o gosto  por pintar. Mas ainda há muitos que deveriam aprender a desenhar no papel e só depois ir destrocar para a parede. Vê-se por aí muitas paredes que não estão graffitadas, mas sim estragadas\vandalizadas. Causa-me um grande aborrecimento essa situação pois faz com que muitos trabalhos bem feitos sejam por muitas vezes estragados. Já aconteceu comigo, ter feito um graff, que deu trabalho e despendeu tempo, no dia seguinte estar cheio de tags por cima e riscos.


7 – Quais são as tuas principais influências e de que modo contribuíram para o desenvolvimento do teu estilo?

R: Revistas, filmes, internet, amigos pintores e principalmente os anos da vida. Tudo contribui para a evolução dem um estilo único, porque para se ser bom em algumas coisas, há sempre que errar, tentar, voltar a tentar, evoluir e saber improvisar.




publicado por tagraffs às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

11 comentários:
De anónimo a 14 de Abril de 2008 às 19:07
tens mail
se tens mail escreve -o nesta pagina


De tagraffs a 19 de Abril de 2008 às 23:30
Queremos agradecer o teu interesse pelo nosso blog.

Continua a comentar, dar sugestões, opiniões!!!!!
O grupo agradece!!!!!

Podes nos contactar para os mails:

- 14705a@esplegua.com (Luís)

- 14466a@esplegua.com (DAniela)


De Bárbara i Filipa a 21 de Abril de 2008 às 11:04
podes nos dar o mail da pessoa k foi entrevistada? pk nos tamux a faxer um trabalho sobre graffitis
brigad rxpond rapidu para u mail barbaraifilipa@hotmail.com


De Pastel =D a 29 de Abril de 2008 às 23:10
gstei das vossas intervistas=D


De Oliveira a 21 de Maio de 2008 às 11:25
Gosto muito de fazer graffitis e acho que ha algumas pessoas que pensam que grafitar é estragar. Na verdade aqueles riscos que aparecem nas paredes nao sao grafitis.Graffitis sao decerteza uma arte que "todas as pessoas devem gostar".
Beijos para todos.


De rezma_uas a 14 de Maio de 2009 às 13:32
no dia em que o graffiti for aceite por toda a gente, este deixa de fazer sentido


De xispeteo a 15 de Março de 2009 às 07:48
Procuro graffiter interessado em graffitar autocaravana com 6,5m. Gostarias de ver a tua obra circular pela europa. Contacta-me e envia o teu projecto port_uga@walla.com


De miguel a 29 de Maio de 2009 às 17:40
olla
gostei do blog
eu sou proffesor de graffiti a poco tempo num projeto da prefeitura.
começei a graffitir na frança com 13anos, hoje tenho 20.
se alguem quiser ver meus trabalhos, ai esta meu msn
miguel_angelo_89@hotmail.com.
paz e amor
bom graffiti para todos(as).


De João Andrade a 22 de Junho de 2009 às 11:14
URGENTE!!!

necessito de um graffiter para a zona de viana do castelo... é um projecto que pode levar a uma projecção a nivel nacional...os interessados contactar jloandrade@gmail.com

obrigado


De Nuno a 22 de Fevereiro de 2010 às 21:14
épa a gente muita burra!! o graffiti é na rua!! é com risco!!!! e sim aqueles riscos na parede é graffiti é puro graffiti !!! graffiti é arte, mas nao podem diser que nao é vandalismo!!! se nao foce nao tinha piada!!!
paz e força para todos os reiais que andao por ai na street!! paz


De Rui Meira a 8 de Novembro de 2010 às 11:09
´vai.te lixar basculho !


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
28
29
30
31


posts recentes

Galeria

Relatório Final

Entrevistas à população M...

Reunião com o Verea...

O Símbolo da nossa campan...

Inquéritos - Gráficos e c...

Graffitis em casa

Entrevistas a graffiters

Ponto de situação

Avaliação da reúnião do C...

Primeiras fotos tiradas p...

Vandalismo ataca graffiti

Prova de arte

Graffiti é expressão

Notas de final de periodo...

Planemento do projecto

Tipos de graffiti existen...

Matosinhos- História e Lo...

Mapa satélite da cidade d...

História do Graffiti

Apresentação

arquivos

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

links
Contador de visitas
Contador de visitas
Contador de visitas
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds